Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

O fim de semana, tinha tudo para ser perfeito...

 

Só nós dois.

 

O sítio fantástico.

 

A vista do nosso quarto era e cortar a respiração.

 

Ainda por cima, choveu. O que convida ao recolhimento e o aconchego.

 

Aquilo que me pareceu que ia ser um fim de semana de amantes, foi um fim de semana, de dois conhecidos.

 

Grande desilusão.


sinto-me: Furiosa comigo por acreditar

publicado por sopro-do-coracao às 17:18
Nem sei o que te diga:(

Pode ser uma fase, não desistas, inventa coisas fala, questiona, mpõe-te...
Eu agora sou fã da maleta roja!

Ando muito stressada com esta onda de divórcios, desde março já vão 4!
O que vejo é muita falta de comunicação, as pessoas acomodam-se, deixam de discutir os problemas, e as coisas acumula-se até que não tem volta.

Faz tudo para resolver a situação, depois ficas com a consciência tranquila.

jokas


Gatapininha a 25 de Novembro de 2009 às 22:01

Fase velhinha esta....

Como estou na semana que antecede os dias de chuva no meu quintal, lá ve o SPM. E o meu deixa-me deprimida e com a mania que sou uma torneira. Agora é má altura para conversar. Vou ter de esperar que esta semana passe, para lhe aviar mais uma conversinha de pé de orelha.



Pelo que já me pude aperceber, tempo é coisa que já correu e até demais!
Isto já não vai com paninhos quentes.
Já pensou realmente na sua felicidade? Consegue imaginar-se a passar o resto da sua vida assim, aos solavancos, ora acreditando, ora definhando? Mas afinal que raio de amor é esse que tira os melhores anos de uma vida, secando-a e oferecendo de volta tristeza e alienação?
Ás vezes temos que ser mães de nós próprias e protegermos a nossa felicidade, que também é a dos filhos!
Ainda não é tarde, ainda há tempo de recuperar muitas coisas, e não é tão difícil como parece - eu já o fiz e não me arrependi nada, foi uma autêntica lua-de-mel que passei só com os meus filhos! (quem se arrependeu foi ele mas já foi tarde, até porque o lugar foi muito bem ocupado!).
Homens que gostem de flores secas, é fugir deles!

(desculpe o atrevimento mas apeteceu-me ler este blogue...senti alguma ternura por si e pela sua história.)
susana a 2 de Dezembro de 2009 às 17:12

Susana,

Muito obrigado pelas suas palavras. A única coisa que tenho para lhe dizer é que tem toda a razão. E eu sei que estou a desperdiciar uma parte da minha vida.

Também sei (ou pelo menos imagino, pelo que vejo) que custa menos do que parece.

Espero um dia ter coragem.

E mais uma vez muito obrigado pelas palavras. Nem imagina o quanto foram importantes para mim.

Beijos

mALA ROJA???Valha nos Deus...lembro me de coisas mais inventivas,mas pronto..eu sou um vampiro,um autentico demonio dos pecados inconfessaveis,,,se bem k como rojo es el color del sangre,,pues por supuesto!!!
vampirismos a 26 de Novembro de 2009 às 17:48

Vai dar banho ao cão!
hehehe
A maleta tem coisas muito boas e tudo serve para variar.
Ao fim de uns anos a malta entra na rotina e tem que variar.
Com esta idade já não se pode estar a ver a novela (bem agora é mais csi) lol

Tens que me dar umas explicaçõeszitas, mas nada de sadomaso, não gosto de levar porrada, nem de dar.

jokas

Gatapininha a 26 de Novembro de 2009 às 17:56

Esqueci-me de te dizer que vou levar os putos ao cinema no dia 20, estou a fazer conta com o teu junior (vê lá se a sénior tb quer ir), para irem ver o 51.
A minha gosta de coisas das winx e da anna montana, também gosta de jogos daqueles.
jokas
Gatapininha a 27 de Novembro de 2009 às 16:47

Mas qual porrada??Bem,as vezes uns puxoezitos no cabelo,umas dentadinhas aki e ali,,um apertar mias intenso,fazem nos sentir vivos..mas...Fazemos o seguinte,k estou curioso...tu explicas me essa da mala roja,,eu,,explico te o k nao souberes..e o que souberes reavicvo te a memoria..
700 anos nesta terra e mto tempo...
Beijos e uma dentada..intensa
P.S.Vou te adicionar como amiga..
vampirismos a 29 de Novembro de 2009 às 15:59

ficar furiosa contigo por acreditares ...é normal mas, passa adiante e o proximo sentimento será " eu fiz e acreditei"

ja houve sentimentos fortes?
quando os esqueceram? que necessitam para os avivar?
um copo de vinho (uma garrafa que seja!), um daqueles comprimidos azuis (porque não?), um banho de espuma a dois (experimentaste?)

não espero resposta a estas perguntas, são só para recordares (se já não o fizeste) a ideia era que tu saibas que estou aqui e me preocupo
um abraço
Infiel a 26 de Novembro de 2009 às 02:22

Sentimentos fortes sempre houve e ainda há (pelo menos da minha parte). Apesar de tudo (e por isso caio nessa "armadilha" de acreditar) ainda o amo mais do que tudo.

As coisas sempe foram dificeis (a este nivel) entre nós. E já fiz tanta coisa, ja tentei tanta coisa que já lhe perdi a conta.

E se antes, eu recuperava rápidamente destas mágoas, agora demora cada vez mais tempo a passar.

Agradeço, do fundo do coração, a tua preocupação.

Beijinhos


voces olham-se nos olhos???? profundamente?

não tens de me responder :)

gostava que lesses o meu livro, acho que te iria ajudar

um abraço
Infiel a 26 de Novembro de 2009 às 22:42

Nada na vida é irremidável. E eu acredito nisso. Nem mesmo este ciclo em que vivo, é um movimento perpétuo. Posso sempre quebrá-lo. No entanto, falta a força e a coragem para o quebrar.

Tu tiveste coragem de quebrar o teu ciclo. E por isso és um exemplo.

Nós só nos olhamos, não nos vemos.

beijocas

DA-lhe com uma cadeira na cabeça.ou manda-lhe um estalo com um armario.Sera que ele precisa de ver a mulher com outro pa perceber que tu es uma MULHER com desejos e direito a ser amada,desejada,acariciada e......isso tembem??
Beijos e mais uma dentada,forte e intensa...
vampirismos a 26 de Novembro de 2009 às 17:45

Não sou mulher para agressões físicas... A única coisa do género que às vezes me apetece é bater com a porta.

Mas depois, vejo os meus meninos. Imagino-os a viver como bolas de ping-pong (entre cá e lá). Imagino-me a mim, sem ele. E não consigo, Por enquanto, os meus sentimentos por ele, e a vontade de dar estabilidade aos meus filhos ainda é mais forte do que a vontade de bater com a porta.

Obrigado pela dentada... deu para "arrebitar" um pouco.

Falando em filhos...
uma mãe feliz pode proporcionar melhores momentos de afecto porque estará a vivê-los de uma forma mais equilibrada. Quando estamos tristes, mesmo sem querer, agarramo-nos aos filhos como se eles fossem um muro de lamentações ou uma tábua de salvação e isso não é saudável para eles (pessoas pequenas). Por serem muito mais sensitivas que os adultos, as crianças percebem a infelicidade da mãe e sofrem (uma das minhas filhas teve uma depressão com 8 meses).
Por outro lado, uma relação moribunda não é o modelo ideal para levarem no saquinho das suas recordações futuras, pois tendem a reproduzi-lo enquanto adultos - tudo o que eles viverem agora enquanto família, será para eles um padrão de normalidade. Por isso, acho que um divórcio até se pode considerar terapêutico, promovendo um outro nível de estabilidade emocional, ficando a mãe muito mais saudável e capaz!

Mais uma vez, peço desculpa pela intromissão e não é meu hábito dar este tipo de conselhos, neste caso não resisti... acredito sinceramente no que lhe estou a dizer e também falo pela minha experiência.
Coragem!
susana a 3 de Dezembro de 2009 às 12:17

De facto os miudos veem muito para além de nós. E várias vezes a minha filha me perguntou se estava triste, mesmo quando eu achava que não estava a deixar isso transparecer. Eles tem de facto essa capacidade extraordinária. Mas isso é porque nos conhecem muito bem. A minha filha, deveria ter uns 3 ou 4 anos, disse-me uma vez, algo que me deixou a pensar...

Não me lembro bem porque, mas no meio de um ralhete, eu disse-lhe que a conhecia muito bem. Ao que ela me respondeu..."Pois, mas eu conheço-te melhor. Tu só me conheces por fora, mas eu conheço-te por dentro, porque vim de dentro da tua barriga."

Deve ser por isso que eles sentem essas coisas em nós,

O meu maior medo, é o meu menino. Ele evoluiu tanto, que tenho muito medo (pânico até), que uma mudança tão grande na vida dele deite tudo a perder.

Mais uma vez obrigado pelas tuas palavras. E acredita que me fazem muito bem. A clareza da visão de quem está de fora é sempre útil e importante.

Beijocas

A maleta vermelha é uma sexshop ambulante, só para mulheres.
Em vez de se marcarem reuniões de tupperwere, agora fazem-se reuniões de tuppersex! lol
Também não podem entrar vampiros.


Gatapininha a 29 de Novembro de 2009 às 20:19

Já fizeste alguma reunião da maleta roja????

Eu gostava de fazer. Sabes como conseguir?

Beijocas

Eu já fui a uma, foi na casa onde cabiam mais pessoas (eramos 20).
Eu tenho o contacto da que lá foi e conheço outra que foi minha aluna (lol tou a ficar velha) e agora é psicologa e faz também nos intervalos. Depois dou o contacto se quiseres.

A Ana gosta da bloom, a Adriana gosta da flora.
Também gostam muito de jogos.

jokas

Ok... depois falamos sobre o tal contacto Considera-te desde já convidada eheheh.

Estou a tentar fazer umas coisas para as tuas meninas, depois vais perceber porque queria saber de qual elas gostam (não prometo é que saía alguma coisa de jeito)

Beijocas


Desculpa lá intrometer-me, mas vim espreitar e não pude deixar de comentar. Sabes que às vezes, temos que pôr de parte o coração e agir pela razão!!!
Bjs
Finada a 30 de Novembro de 2009 às 13:56

Sim, sei.

Mas também sei que para se fazer isso, é necessário coragem. Coragem essa que eu não tenho. Reconheço que neste momento o que me falta é coragem.

Volta sempre. És sempre bem-vinda.

Beijocas

Obrigada pela recepção acalorada, ( o nem sempre acontece noutros blogs , mas adiante... ) Também tu és bemvinda, se te sentires à vontade, e sempre que quiseres...Be my guest!!!
Quanto à tua vida, só tu sabes o que fazer e só tu podes resolver! Atitudes são precisas, não te deixes intimidar, pensa em em ti, antes de tudo!!! Se nós não gostamos de nós próprios... quem gostará??!!
Beijocas
Finada a 3 de Dezembro de 2009 às 13:03

Eu, como menina bem educada (ou pelo menos quero acreditar nisso), gosto de receber bem as minhas visitas.

E tens razão, quando dizes que temos que gostar de nós, primeiro que tudo.

Mas nem tudo é mau nesta relação. Há muitas coisas boas. Somos verdadeiros amigos, temos uma amizade sólida e da-mo-nos bem. Temos a felicidade de conseguir proporcionar aos miúdos um ambiente familiar estável e seguro. E gostamos da companhia um do outro. E amo-o, muito.

E, confesso que tudo isto me tira a coragem de dar um passo em frente. Pois penso nos miudos, no que eles vão perder. E confesso, que medo que a instabilidade que o fim da minha relação vai trazer ao meu filho, e que efeitos isso vai ter nele, me tem travado muito. O meu menino, fez uma evolução tão grande, que tenho muito medo que uma alteração desta importância na vida dele, deite tudo a perder.

Mas opiniões de que está de fora, são sempre bem vindas.

Beijocas

PS: Acho que nunca deixei comentários, mas vou frequentemente ao teu espaço

Pois, talvez por essa razão é que será mais difícil para ti ter a dita coragem. Mas volto a dizer, que é preciso atitudes, e nem sempre ter uma atitude significa bater com a porta. Atitudes são: estou aqui!! Sou eu!! Quero isto!! Não quero isto!! Tem que ser assim!! Fincar o pé até termos aquilo que queremos. Ameaçar!!! se fôr preciso. Os homens funcionam por estímulos. E por vezes, ou muitas vezes, precisamos de os estimular. Não estou a falar de sexo. Falo de nos impormos, ameaçando, reinvindicando, estimulando assim aquela parte deles que muitas vezes adormece e se esquece de nós, mulheres. Digamos que este estimular de traduz em chibatadas psicológicas!! Dar um berro naquele cérebro e fazê-lo acordar!! Isto também são atitudes!!
Beijocas.
Finada a 3 de Dezembro de 2009 às 15:13

Sim, eu percebi, ao que referias. Que não falavas só em bater com a porta, mas também em marcar posição.

E quanto a isso, confesso que já perdi a paciência. Passei muitos anos da minha vida a fazê-lo. A dizer, estou aqui, a ameaçar, a espicaçar. Enfim, a tentar marcar uma posição.

E acredita em mim, quando digo que já tentei tudo, porque é verdade. Se inicialmente as coisas funcionam, depois voltam ao mesmo. E com o passar do tempo (anos), o tempo até tudo voltar ao mesmo é cada vez menor.

Eu não o culpo só a ele. Pois numa relação a culpa nunca é só de um. Eu também tenho falhas (muitas). Eu sei que não faço coisas que deveria fazer. Colaborar mais nas coisas da casa, por exemplo (Sim, esta é uma tarefa dele. Ele trata disso, e eu trato da questão logística da nossa filha, que é bastante complicada, por causa da dança. E de algumas questões logísticas do nosso filho).

E também confesso que uso, a minha disponibilidade para colaborar nessas coisas, como moeda de troca. E sei que não o deveria fazer.

Enfim... Este é apenas o meu lado da história. De certeza que o lado é diferente.

Beijocas

Podemos sempre viver no sonho e na sublimação.

Falar é fácil, a inércia é forte. Lembro-me de quando era adolescente e estava em sitios, lugares públicos, e não me apetecia estar nada ali.
Uma vez estava num salão de jogos, daqueles frequentados só por pessoal reles, e é incrivel, não conseguia sair daquele lugar, encostado a um baçcão. Sentia-me mal ali e não conseguia sair. Algo de estupido me prendia ali. Suponho aé tque fosse, em parte, uma dose de vergonha, era muito esquisito.

Mais tarde olhava para trás e pensava: que estupidez, não custava nada, era só começar a andar. Talvez fosse também por não haver uma alternativa muito melhor. Mas a verdade é que estava melhor em casa a ver TV, a dormir até, que ali.
Ou, como escrevi uma vez: o grande drama é quando mais vale mal acompanhado do que só.
antiego a 2 de Dezembro de 2009 às 23:16

Não sei se o meu drama é esse, de preferir estar mal acompanhada do que só.

Como é obvio, nem tudo é mau. Somos verdadeiros amigos. Damo-nos bem. E proporcionamos aos nossos filhos um ambiente estável e seguro. E é tudo isto, aliado ao facto de o amar muito que me prende nesta relação.

(In)Felizmente, as relações entre as pessoas não são lineares, e nem tudo é fácil. Aqui há muitos sentimentos em causa. E se por um lado há tristeza e dor, por outro há estabilidade e sentimentos fortes que me ligam a ele.

Parece que me revejo em muito do que escreves.
Podemos amar tanto alguém mas isso só não basta.
Por muito que queiramos não conseguimos resolver algo que tanto nos incomoda .

Por vezes sinto-me tão perdida.
Anónimo a 7 de Dezembro de 2009 às 14:47

O anónimo de cima sou eu.
Eu simplesmente a 7 de Dezembro de 2009 às 14:48

a vida vive_se com lembrasa entre dois coracoes.
pin puk a 1 de Maio de 2013 às 12:41

Desabafos de uma mulher de 30 e tal anos que agora já está nos entas
mais sobre mim
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO