Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011

Quando se fala de violência doméstica/conjugal, de imediato se pensa em agressão física ou psicológica.

Pensa-se, essencialmente, em mulheres agredidas fisicamente, espancadas, violentadas e, muitas vezes, com marcas visíveis.

Já se pensa, também, em casos de violência psicológica, onde o agressor usa a agressão verbal, as ameaças e as posturas agressivas.

Não é raro estas duas andarem de mãos dadas.

Quando pensamos num agressor, pensamos em alguém que se descontrola facilmente, que é violenta e nada paciente .

 

E quando nada disso está presente?

E quando falamos de uma pessoa calma, nada violenta, muitas vezes até, paciente e com um comportamento correcto?

Será que podemos dizer que estamos perante um agressor?

Provavelmente a primeira reacção será dizer que não.

Mas, e, se essa pessoa mantiver comportamentos de afastamento físico, sexual e emocional de forma continuada?

Será que este comportamento pode ser chamado de violência doméstica?

E se esse comportamento levar a outra pessoa a deixar de acreditar nela, de acreditar no seu valor e lhe reduzir a auto-estima a zero?

Será que, assim,já se pode considerar violência doméstica?

 

Não sei qual a resposta oficial para estas perguntas. Mas, sei qual a minha resposta.

A minha resposta é, sim. É violência doméstica, sim. E eu, fui vitima dela.

 

Não percebi no momento. Na realidade, só agora percebo.

E penso, como pude ser tão cega. Como pude não perceber.

Os sinais estava todos lá e, eu, no meio do meu desespero não percebi.

 

Podemos traçar o perfil, tipo, de um agressor. Estava lá tudo.  E eu não percebi.

 

É alguém que maltrata e que de seguida mostra arrependimento, prometendo que não volta a acontecer.

Compra presentes e finge mudar de atitude para ser perdoado e, para que a outra pessoa não o deixe.

Com este comportamento, vai alimentando a esperança de que tudo vai mudar para, na primeiro oportunidade voltar ao mesmo.

O objectivo de um agressor é fragilizar a vítima para, que esta não o abandone.

 

Tudo isto se passou comigo. E, às vezes, pergunto-me se tudo isto foi feito de uma forma consciente. Prefiro pensar que não. É menos doloroso.

 

Hoje, tudo isto deixou de fazer parte da minha vida. E quase 20 anos depois, consegui romper com este ciclo vicioso e coloquei um ponto final nesta situação.

 

E para dar este capitulo da minha vida como encerrado, restava-me, apenas, assumir que, fui vitima de violência doméstica, de forma repetida e continuada, durante quase 20 anos.

 

Mas hoje, já não sou!!!

 

Agora... há que reconstruir a minha vida... e principalmente... reconstruir-me!


sinto-me: A recomeçar

publicado por sopro-do-coracao às 12:02
Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2009

Nunca uma desilusão me custou tanto a passar.

 

Sempre que chego a casa e olho para ti, lembro-me outra vez daquele fim de semana. E vejo que o teu comportamento não se alterou em nada.  

 

Eu afasto-me de ti, porque te quero forçar a uma atitude. Quero que notes que algo mudou e que me confrontes com isso.

 

As coisas entre nós estão tão estranhas, tão pesadas. E eu sinto-me tão perdida. Tão confusa.

 

 

 

 

 


sinto-me: perdida

publicado por sopro-do-coracao às 16:21
Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

O fim de semana, tinha tudo para ser perfeito...

 

Só nós dois.

 

O sítio fantástico.

 

A vista do nosso quarto era e cortar a respiração.

 

Ainda por cima, choveu. O que convida ao recolhimento e o aconchego.

 

Aquilo que me pareceu que ia ser um fim de semana de amantes, foi um fim de semana, de dois conhecidos.

 

Grande desilusão.


sinto-me: Furiosa comigo por acreditar

publicado por sopro-do-coracao às 17:18
Sexta-feira, 06 de Novembro de 2009

O meu menino hoje faz anos!! 

 

7!!!!!!!

 

 

Está um rapazinho crescido.

 

Quem o conheceu há quase 4 anos atrás e o vê agora não o reconhece.

 

Está mais confiante, mais autonomo.

 

Já está na escola, no 2º ano, e as coisas têm corrido bem. Fez uma boa aprendizagem da leitura e consolidou as competências matemáticas que já tinha. Está bem integrado na escola e na turma, e até tem alguns amigos.

 

Continua com pouca tolerância à frustação e sem saber esperar. Ainda é fascinado por comboios. Já tem menos comportamentos repetitivos e é menos preso às rotinas.

 

No entanto, as suas "particularidades" estão agora a começar a revelarem-se. A sua dificuldade ao nível da motorcidade fina está a atrapalhar a sua caligrafia, que é muitas vezes ilegível. A sua imaginação pouco fértil está a mostrar-se na hora de inventar frases que utilizem determinadas palavras. A sua dificuldade de concentração está a revelar-se na quantidade de erros nos ditados.

 

Desde o seu diagnóstico, até hoje, passaram quase 4 anos, e sem dúvida nenhuma que os progressos foram fantásticos.

 

Por tudo isto, o meu menimo está de PARABÉNS.

 

 

FELIZ ANIVERÁRIO MEU AMOR!!!!!!!!!!!!!!!!               

 

 

 

 

 


sinto-me: Em festa!!!!
música: Parabéns a Você

publicado por sopro-do-coracao às 15:39
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

É tão fácil fazer-me feliz...

 

Basta um sorriso.

Basta um beijo.

Basta um abraço.

Basta um carinho.

Basta um elogio.

 

Mas tudo isto feito com sinceridade e não por obrigação.

 

Não serve de nada o sorriso forçado, o beijo fingido, o abraço frouxo...

 

Estás cada vez mais perto de me perderes de vez, e parece que não dás por nada.

Mas será que não dás, ou que finges não dar?

 

É tão fácil fazer-me feliz...

 

Porque não tentas?


sinto-me:

publicado por sopro-do-coracao às 14:11
Sábado, 26 de Abril de 2008
Foi o mês passado que fez um ano que aqui cheguei. Confesso que nem me lembrei disso, até há uns dias. Estava numa conversa e mencionei este meu cantinho, e foi aí que me veio à memória que já tinha um ano.

Como não podia deixar de ser, resolvi fazer uma Demonstração de Resultados deste meu ultimo ano, afim de apurar o Resultado Líquido deste ano. Resolvi relembrar tudo o que de bom me aconteceu, e tudo o que de menos bom se passou.

Comecei pelas coisas menos boas....

- A minha relação com o meu marido esteve em sério risco. E muita coisa aconteceu à volta desta situação.
- Estive 4 meses sem trabalho, o que causou um forte abalo na tesouraria cá de casa (ainda me estou a recompor).
- Tive um emprego relâmpago (1 dia e meio), que terminou, porque eu não estava a dar o rendimentos esperado (pois...pois...).
- A minha princesa sofreu um grande desgosto, ao não entrar na escola que pretendia. E isto depois de anos de trabalho, e um ano de muito mais trabalho ainda.

Depois vieram as coisas boas...

- Iniciei este cantinho, e com ele "conheci" muita gente interessante e simpática. Com uns desenvolvi uma relação de amizade (virtual), com outros apenas troquei algumas palavras.
- Vi o meu menino crescer e evoluir, e tornar-se um rapazinho de 5 anos cheio de vida e de reguilice (como se espera).
- A minha princesa, cresceu e amadureceu. Fez a sua estreia como (aprendiz de) bailarina, num espectáculo com uma companhia de dança profissional. E teve a sua primeira experiência longe de casa.
- A minha relação, com o meu marido, está mais estável e próxima daquilo que eu preciso para ser feliz.
- Consegui, finalmente, um emprego num local agradável, e que me satisfaz.

Chorei e sorri.

Mas no final, ainda faltava fazer as contas, e verificar qual tinha sido o resultado...

Somei todas as coisas menos boas. E somei todas as menos boas. E subtrai umas às outras. No final, obtive um resultado liquido bastante favorável. Foi um bom ano.

Porque afinal de contas, sorri muito mais do que chorei.

sinto-me: Bem... muito bem
música: Edith Piaff - Non, je ne regrette rien

publicado por sopro-do-coracao às 17:32
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007
E de outra maneira não poderia estar...

A minha menina, a tal que quando for grande quer ser bailarina, depois de ter sofrido o seu primeiro não, teve agora uma grande alegria (e a todos cá em casa também, diga-se).

Ora, a tal menina que foi recusada pela única escola de dança, de ensino publico, que existe  no nosso país, foi agora escolhida pela CêDêCê (Companhia de Dança Contemporânea), para fazer parte, em conjunto com outras crianças, de um espectáculo organizado pela Companhia.

Será que a menina, que há 3 meses, não tinha qualidades suficientes para frequentar a tal escola, agora já tem qualidades para participar num espectáculo organizado por uma companhia de dança profissional? Onde as terá ela ido arranjar em tão curto espaço de tempo? Ou será que sempre as teve?


sinto-me: Muito Orgulhosa

publicado por sopro-do-coracao às 22:55
Sábado, 11 de Agosto de 2007
Embora com alguns dias de atraso, cá estou eu a responder ao desafio que a infiel me deixou no seu blog.

Confesso que não tenho muito jeito para estas coisas, mas vou tentar revelar quais são as sete maravilhas da minha vida.

Pensei, pensei. E confesso que não consigo colocar ordem em algumas delas. Noutras, definitivamente consigo. Por isso, vou listá-las, primeiro as que tem ordem, e pela respectiva ordem. Depois, as outras. Numa versão "tudo ao molho".

Então, aqui vai...

Primeiro aquelas que tem ordem...

1. Os Meus Filhos

São sem qualquer sombra de dúvida a minha melhor obra. São a minha maior maravilha. Com eles, vivo o melhor de mim. Enfim, não há palavras. São os meus filhos, e pronto.

2. O Meu Casamento (e consequentemente o meu marido)

Temos dias melhores, temos dias piores.
(Agora estamos na fase dos dias melhores...)
Mas é aqui que encontro estabilidade, conforto e é claro... se não fosse o meu casamento, não tinha os meus filhos...

3. A Minha Casa

É o meu refúgio, o meu casulo. É aqui que recupero forças. É aqui que vivo o meu casamento e com os meus filhos...

Agora a parte do "tudo ao molho"

A Minha Família e Os Meus Amigos, porque são eles que me proporcionaram, e proporcionam ainda, as minhas memórias, as minhas histórias, as minhas dores, as minhas alegrias, enfim... que me oferecem tudo que faz de mim o que sou.

Os Meus Animais de Estimação, todos os que tenho e já tive. Mas principalmente os que tive na minha infância. Guardo com especial carinho, as recordações do meu cão (que me acompanhou desde a infância até ao meu casamento). As recordações do meu pinto, da minha codorniz, o meu pintassilgo e de todos os canários que alimentei (com um palito).

A Culinária, a que me dedico agora muito menos do que gostaria, mas que me dá um prazer enorme. Quando cozinho, esqueço-me do mundo...

Agora vem a parte de escolher "as próximas vitimas". Que serão enumeradas por ordem alfabética (acho que fica muito melhor assim).

Assim, as minhas "vítimas" são... (agora deveria ouvir-se o rufar de tambores)

-As incertezas de uma amante
-Barafundida
-Callaway
-Estela do Sul
-Gomesh
-Maaf
-Sextrip


Agora fico à espera de ver os resultados...


publicado por sopro-do-coracao às 10:35
Terça-feira, 17 de Julho de 2007
Andando por aí, deparei-me com vários destes testes. Vai daí, e numa de curiosidade, resolvi fazer um também.

Este é o resultado.

Teste de personalidade



Como vê a vida... As montanhas, indicam que você é sobretudo prático, tem senso de justiça, os pés no chão e conquista as pessoas pela sua honestidade. Uma prova disso é a sua atitude quando alguém pede ajuda para resolver um problema. Antes de tomar qualquer partido, ouve as partes envolvidas.

(Esta parte parece que é verdade)


A pessoa dos seus Sonhos, A escolha do espelho mostra que não acredita que pólos opostos se atraem", isto em relação ao amor, e que, só vai sossegar quando encontrar a sua alma gémea, ou seja, uma pessoa que tenha os mesmos ideais que você.
Nada mais justo. Só que é bom olhar um pouco mais à volta, porque de repente a pessoa perfeita para si pode ser alguém para quem normalmente não olharia duas vezes.

(com esta não concordo muito...)


Será que quer um compromisso sério?... Tem outras prioridades, pelo menos por enquanto.

(com esta não concordo nada)


Os limites da Paixão... O lago reflecte o seu desejo de querer ver-se livre de relacionamentos superficiais. Porém, só quando encontrar alguém muito especial, é que vai mergulhar de cabeça.

(com esta concordo assim a assim... tem dias...)


Acerca do Futuro... Se viu a chave antiga, mostra que você tem garra e uma vontade ilimitada de aprender tudo o que puder e que vai atrás e luta pelos seus objectivos.

(com esta... não poderia concordar mais)


Quem é que não tem ambição? A cabana é a visão de uma pessoa realista sobre o seu próprio futuro e que tem os pés firmemente assentes no chão. E provavelmente vencerá em qualquer actividade usando o esforço próprio.

("pés firmemente assentes no chão"... lá está. Tem dias...)

 

Quando é que o sucesso chega? Entrar na casa é ter confiança em tudo o que faz, sabendo que existe sempre a possibilidade de errar ou acertar. Sendo assim, nada consegue atrapalhar o seu caminho.

(concordo!)


Medo de... Para si, que escolheu o urso , depender de alguém é a pior coisa que pode acontecer-lhe na vida. Na sua opinião, uma pessoa alcança a felicidade a partir do momento em que estiver pronta para andar com os próprios pés.


(verdade, verdadinha...)

 

O EU mais profundo... Se escolheu a lagoa , ela apenas reforça a sua necessidade de ter o seu próprio espaço, até para se isolar quando sente que as coisas não andam exactamente como tinha planeado. Chegará um dia em que você descobrirá que compartilhar os sentimentos com alguém da sua confiança poderá ajudá-lo a ficar melhor.


(o espaço faz-me muita falta. E o dia da descoberta já chegou.)


Parece que isto comigo não resultou lá muito...

Bem, se calhar até sou assim e não dei por nada.

Quem sabe?


sinto-me: curiosa
música: 13 mulheres - Expensive Soul

publicado por sopro-do-coracao às 15:53
Sexta-feira, 04 de Maio de 2007
Há coisas que não consigo compreender. E o sentimento de posse que os pais têm em relação aos filhos é uma delas. Eu sou mãe e não encaro as coisas assim. Não vejo os meus filhos como meus pertences. São obviamente meus, no sentido em que saíram de mim. Mas, não os encaro como minha propriedade. E aceito que tenham as suas vidas de modo autónomo (bem, se calhar digo isto porque ainda são pequenos -4 e 10 anos- mas acho que não).

Eu vejo, e sinto, bem esse sentimento em relação a mim (e ao meu marido também, por parte dos pais dele). E penso que se calhar é de ser filha única (o meu marido também é).

Adoro os meus pais, mas, eles acham, e sempre acharam, que porque sou filha deles e porque me ajudam, que tenho que estar 24 horas disponível para eles. Que posso prescindir da minha vida para resolver os problemas deles, pois estes são sempre prioritários. E quando tento explicar que não é possível, que tenho outras coisas para fazer, nomeadamente trabalhar, resolver problemas dos meus filhos (eles ainda não conseguem resolver os deles sozinhos), alimentar-me, ou pura e simplesmente dormir (já não falo em estar um pouco de tempo com o meu marido, ou sair com os meus amigos), sou imediatamente uma má filha, uma filha mal agradecida e mais um sem número de coisas do género (os meus sogros fazem exactamente os mesmo).

Sinceramente, fazem-me lembrar em muito o meu filho de 4 anos, que quando é contrariado, me diz imediatamente , "a mãe, é má".

Será de ser filha única, ou os pais todos assim?

Já começo a ficar farta de tudo isto. Eu só tive dois filhos, não seis.



sinto-me: Furiosa
música: iris - goo goo dolls

publicado por sopro-do-coracao às 13:39
Desabafos de uma mulher de 30 e tal anos que agora já está nos entas
mais sobre mim
Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO